sábado, 10 de janeiro de 2015

Direitos Autorais: os acessos por VPN ou Proxies e as licenças regionais

Menu

ESTADÃO

LINK ESTADÃO – CULTURA DIGITAL

Link Estadão – Cultura Digital

Reed Hastings, CEO da Netflix, em visita ao Brasil. FOTO: Marcio Fernandes/Estadão Conteúdo

SÃO PAULO – O Netflix que você acessa no Brasil (por R$ 18 ao mês) oferece muito menos conteúdo do que se você fizesse o mesmo nos Estados Unidos (pagando US$ 9, cerca de R$ 24). O serviço, segundo a própria empresa, é oferecido para outros 48 países, que também enfrentam a mesma situação que você.

O serviço é o mesmo e o preço é bem semelhante. Por que essa diferença então? Isso acontece porque a empresa sela acordos com estúdios como Sony e Time Warner tendo como base a região que o conteúdo será disponibilizado.

E se houvesse uma forma de acessar o Netflix americano sem sair do seu país? Pois há. E um número crescente de usuários tem optado por essas alternativas para burlar as barreiras regionais impostas pelo serviço, e isso vem incomodando muita gente.

Acontece que a tecnologia em questão não é ilegal. Pelo contrário, ela é vastamente utilizado por empresas e usuários no mundo por motivos de segurança e privacidade. Trata-se das redes privadas virtuais (VPN, na sigla em inglês), que funcionam como conexões fechadas dentro de uma maior aberta; ou ainda de proxies (plural de proxy, que são servidores/máquinas que fazem a intermediação do acesso a páginas na web).

Serviço ‘Hola’ é opção popular de serviço VPN

Tanto um como outro são serviços (pagos, no caso do TorGuardPrivateInternetAccessIPVanishCyberGhost,Unblock-Us ou Hide My Ass!, por valores que vão de US$ 10 a US$ 20 mensais; ou gratuitos, como o popular Hola, com 38 milhões de usuários) oferecidos por empresas que, se localizadas nos EUA, permitem que o Netflix ou qualquer página na web entenda que o acesso está sendo feito da máquina da empresa em território americano – e não da original, esteja ela onde estiver.

Tais serviços permitem sobretudo o anonimato e o acesso à internet sem limitações impostas por governos que impõem censura na web.

Perseguição

No início deste mês, serviços de VPN como o TorGuard alegaram que a Netflix estava impedindo o acesso ao serviço por meio de proxy ou VPN – o Netflix negou posteriormente, mas disse utilizar “medidas padrão da indústria para prevenir esse tipo de acesso”.

Desde o ano passado, a empresa tem feito ofensivas como essa sob a pressão dos grandes estúdios. Na Austrália, onde a Netflix não oferece seu serviço, foi constatado que mais de 200 mil pessoas acessavam seu conteúdo por meio das redes privadas. Em abril, a Hulu – um serviço de streaming de séries e filmes disponível apenas nos EUA – também passou a bloquear o acesso de IPs com VPN.

Em entrevista ao Link Estadão, o CEO do TorGuard, Ben Van Pelt, lamentou os bloqueios impostos por Hulu e Netflix e já avisa: todo esforço de impedi-los será inútil. “Quando bloqueiam a gente estão bloqueando acessos legítimos de assinantes que dependem de VPN por razões de segurança”, diz. “Só o tempo dirá se os serviços de streaming vão adotar políticas restritivas a uso de VPN e proxy. Independentemente do resultado, o TorGuard continuará a dar novas soluções para burlar qualquer bloqueio imposto sobre a rede.”

A empresa diz oferecer seus serviços de VPN a “algumas centenas” de clientes no Brasil e que continua a crescer muito na América do Sul, bem como na China e no próprio Estados Unidos.

De acordo com pesquisa da GlobalWebIndex publicada em outubro, 27% de adultos conectados à web o fazem por meio de redes privadas virtuais. O Brasil está entre os principais mercados, com 37% das conexões feitas por VPN, um ponto percentual a mais do que a China, onde tradicionalmente se faz uso dessas redes para furar o bloqueio imposto pela censura do governo.

Pressão

Na ordem, a coisa toda fica assim: o usuário burla a bolha do Netflix, que tenta impedi-lo de acessar seu serviço de streaming de outro país, que por sua vez é pressionado pelos estúdios detentores de direitos autorais a respeitar os limites geográficos impostos nos contratos, que por sua vez são cobrados por operadoras de TV por assinatura que pagaram para terem canais com aquele mesmo conteúdo e estão perdendo assinantes para os serviços de streaming.

Em dezembro, um e-mail entre executivos da Sony Pictures vazado após ataque hacker mostrou que a empresa está “profundamente insatisfeita” com a “atitude” da Netflix. “Isto é uma forma alternativa de pirataria – semi-sancionada pela Netflix, já que eles estão sendo pagos por assinantes de territórios que eles não têm o direito de vender nosso conteúdo”, diz o e-mail. “Esse assunto, é quase certo, ainda vai esquentar muito, já que a nossa vontade e a do Netflix vão em direções opostas.”

Para Pedro Mizukami, pesquisador especialista em direitos autorais da FGV-RJ, criminalizar o uso de proxies e VPN e considerá-lo pirataria “está fora de cogitação”. “Dizer ‘proxy pirata’ é o mesmo que dizer ‘faca assassina’. Tem a tecnologia e o uso da tecnologia. Da mesma maneira que o torrent não é ilegal por si só, o roteador com VPN não é ilegal.”

O pesquisador diz que ao punir assinantes do serviço que o acessam por VPN a indústria cria uma nova categoria de usuário: os “piratas pagantes”. Para ele, as restrições de uso por barreiras regionais são ineficientes e acabavam funcionando como um tiro no pé, influenciando a pirataria. “Se eu, usuário Netflix, não posso mais usar VPN para ter acesso a uma série que eu não tenho no meu catálogo brasileiro, eu acabo indo buscar outras formas de acessar aquele conteúdo.”

Francisco Brito Cruz, pesquisador e diretor do grupo InternetLab, avalia que não há como cravar a ilegalidade da prática de acessar conteúdo online restrito a certa região por VPN já que se trata de “uma situação que carece ainda de especificação”. A ferramenta legal conhecidamente utilizada contra tais usuários são os termos de uso dos serviços, que proíbem a prática.

Mizukami opina que “todos os esforços deveriam ir na solução de licenciamento globais” e não regionais, como acontece atualmente. “Tudo para evitar essa briga de gato e rato que não me parece produtiva. Evidente que os detentores de direitos vão alegar que é legítimo barrar o acesso, mas não me parece algo sustentável. Principalmente quando você considera que a internet é global”, diz.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Programa Brasil de Todas as Telas anuncia mais de R$ 27 milhões em investimentos em projetos para cinema e TV

Translate traduzirImprimirImprimir30/12/2014 15:40

Programa Brasil de Todas as Telas anuncia mais de R$ 27 milhões em investimentos em projetos para cinema e TV

Projetos inscritos em quatro chamadas públicas de fluxo contínuo receberão recursos do Fundo Setorial do Audiovisual
Preview

ANCINE, o Banco Regional de Desenvolvimento Econômico do Extremo Sul (BRDE) e o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) anunciaram novos investimentos do Programa Brasil de Todas as Telas em 22 projetos inscritos em quatro chamadas públicas que funcionam na modalidade fluxo contínuo. O valor total da operação é de R$ 27.074.349, em recursos do FSA.

 

A Chamada Pública PRODAV 01/2013, que apoia a produção de obras destinadas às TVs aberta e por assinatura, contemplou 13 novos projetos. Nesta rodada, mais de R$ 11,5 milhões em investimentos serão aportados na realização de 12 séries de TV, sendo oito documentários e quatro ficções, além de um telefilme documentário de longa-metragem. As produções poderão ser assistidas pelo público na programação dos canais Curta!, Canal Brasil, MGM, MTV, RBS e na TV Universitária Rio de Janeiro. Entre os selecionados estão projetos de realizadores como Silvio Tendler, José Joffily e Carolina Sá.

 

Pela chamada PRODECINE 02/2013, na qual distribuidoras brasileiras demandam recursos para a aquisição de direitos de exploração comercial de filmes de longa-metragem, cinco projetos de ficção receberam decisões favoráveis do Comitê de Investimentos do FSA e farão jus a investimentos que somam R$ 13,5 milhões. São eles: "Altas expectativas", da Dois Moleques Produções, com distribuição da Vitrine Filmes; "As mil faces do crime", da Filmes Mais, com distribuição da Paris Filmes; "Carlos, o homem perfeito", da Damasco Filmes; “ Toc", da Biônica Cinema e TV, e "O Grande Circo Místico", da Luz Mágica Produções Audiovisuais - os três últimos com distribuição da Downtown Filmes.

 

Finalizando a lista, os longas-metragens "Lua em Sagitário", "Uma noite não é nada" e "Doidas e santas" foram contemplados na Chamada PRODECINE 04/2013, que investe na complementação de recursos necessários à viabilização dos projetos; e "O último Cine Drive-In" receberá R$ 200 mil para investimentos em sua comercialização por meio da Chamada PRODECINE 03/2013, na qual distribuidoras demandam recursos para aporte na distribuição de filmes brasileiros em salas de cinema.

 

Confira abaixo as fichas técnicas dos novos projetos contemplados:

 

PRODAV 01/2013

 

Projeto: A alma imoral – A série
Proponente: Caliban Produções Cinematográficas Ltda (RJ)
Programadora/Emissora: Curta!
Direção e Roteiro: Silvio Tendler
Valor investido pelo FSA: R$ 572 mil
Sinopse: A série de Silvio Tendler tratará de temas polêmicos, trazendo diálogos com renomados pensadores e personalidades da realidade contemporânea, representações de situações bíblicas, judaicas e histórias universais, abordando a importância da transgressão como impulsionador da vida.

 

Projeto: Onde nascem as ideias
Proponente: Samba Filmes Ltda (RJ)
Programadora/Emissora: Curta!
Direção e Roteiro: Carolina Sá
Valor investido pelo FSA: R$ 634.310
Sinopse: Série documental que traz uma artista brasileira a cada episódio. Um mergulho no processo criativo de mulheres que produzem, pensam e vivem de arte. O que é ser artista? O que as inspira? Como é viver de ideias? Como tornam ideias em expressões artísticas?

 

Projeto: Luz & sombras - fotógrafos do cinema brasileiro
Proponente: BPP Produções Audiovisuais Ltda ME (RJ)
Programadora/Emissora: Curta!
Direção e Roteiro: Betse de Paula e Jacques Cheuiche
Valor investido pelo FSA: R$ 1.133.849
Sinopse: A cada episódio, observamos o trabalho criativo de um fotógrafo cinematográfico em cenas gravadas entre a casa do entrevistado e seu local de trabalho. Ao mesmo tempo, revemos as cenas dos grandes filmes brasileiros com uma nova ótica.

 

Projeto: Poltrona 27
Proponente: Melodrama Produções Ltda (RJ)
Programadora/Emissora: Canal Brasil
Direção e Roteiro: Paulo Thiago
Valor investido pelo FSA: R$ 1.182.027
Sinopse: A série gira em torno da poltrona de um simples ônibus que vara as estradas do estado de Minas Gerais. Nele segue Francisco, sempre sentado na poltrona 28, conversando com uma pessoa que se senta ao seu lado, na poltrona 27. Cada viajante tem um caso para contar.

 

Projeto: Muito além do medo
Proponente: Medialand Produção e Comunicação Ltda (SP)
Programadora/Emissora: MGM
Direção: Carlos Albuquerque
Roteiro: Beto Ribeiro
Valor investido pelo FSA: R$ 1.047.636
Sinopse: Uma família chega à uma estranha casa para entrar, literalmente, em conflito com seus fantasmas. Essa família luta para descobrir o que os liga à casa no meio do nada e a seus estranhos moradores, entre eles, uma menininha que não parece ser deste mundo. Na nova temporada de “muito além do medo” vamos reencontrar os personagens principais da série, e conhecer outros novos moradores.

 

Projeto: Perrengue
Proponente: Republica Pureza Filmes Ltda (RJ)
Programadora/Emissora: MTV
Direção: Tatiane de Lamare
Roteiro: Ademir Leuzinger
Valor investido pelo FSA: R$ 2.589.942
Sinopse: Jorginho, Cadú e Pérola estão no final da adolescência e são os melhores amigos, moram no mesmo bairro e estudaram na mesma escola. E dividem uma grande paixão: o skate, além de uma imensa capacidade de atrair perrengues, arrastando tudo e todos a sua volta nestes problemas. Eles acabaram de se tornar maiores de idade, os perrengues cresceram junto com eles.

 

Projeto: Amor de 4
Proponente: Caravela Filmes Ltda (RJ)
Programadora/Emissora: Canal Brasil
Direção: José Joffily
Roteiro: Marcelo Santiago
Valor investido pelo FSA: R$ 1,02 milhão
Sinopse: Regressando da França depois de uma longa temporada, Elisa chega à casa do casal Flávia e Miguel, sua melhor amiga e seu ex-namorado alcoólatra. Elisa traz consigo seu marido, Alain. A chegada de Elisa causa impacto em Miguel, que passa a se comportar de forma agressiva e descontrolada. Flávia, por amor aos dois, tenta contornar a situação. Alain não parece se importar com o platonismo entre a mulher e Miguel, e, por sua vez, inicia um flerte com Flávia.

 

Projeto: Caçadores da alma (segunda temporada)
Proponente: Caliban Produções Cinematográficas LTDA (RJ)
Programadora/Emissora: Curta! (RJ)
Direção e Roteiro: Silvio Tendler
Valor investido pelo FSA: R$ 743.600,00
Sinopse:  Fotografar o olhar do fotógrafo. Transcender a imagem revelada, viajar no seu interior, ir além. Fotografar o fotógrafo. Revelar a alma que revela almas, pessoas, objetos, coisas, paisagens, animais, árvores cujas imagens que vão além das aparências.

 

Projeto: Colecionadores
Proponente: Cubo Filmes Produções e Eventos Ltda (RS)
Programadora/Emissora: Curta!
Direção e Roteiro: Paulo Leônidas
Valor investido pelo FSA: R$ 352.753,00
Sinopse: Colecionadores: obsessivos, maníacos, excêntricos, possuem o carisma dos diferenciados, trazem junto à enorme quantidade de objetos classificados (ou não) histórias incríveis. É sobre este exemplar de ser humano que colecionaremos histórias.

 

Projeto: Inhotim: o valor das coisas
Proponente: Camisa Listrada Ltda. (MG)
Programadora/Emissora: Curta!
Direção: Pedro Urano
Roteiro: Pedro Urano e Joana Oliveira
Valor investido pelo FSA: R$ 1,3 milhão
Sinopse: A série tem como lastro o espaço e o acervo do Instituto Inhotim, e incluirá as obras expostas nos pavilhões, visitas aos ateliês dos artistas; entrevistas com pesquisadores, curadores, colecionadores, astrônomos, botânicos, físicos e matemáticos; trechos de filmes de artista e registros de performances de seus acervos particulares.

 

Projeto: Virando a página
Proponente: Chamon Produções Artisticas e Cinematograficas Ltda - ME (RJ)
Programadora/Emissora: TV Universitária Rio de Janeiro
Direção: Marcelo Paes Pontes
Roteiro: Otávio Martins
Valor investido pelo FSA: R$ 449.983
Sinopse: O projeto documentará a trajetória de pessoas que cursam a universidade ao mesmo tempo que cumprem pena judicial nas penitenciárias do estado do Rio de Janeiro. O documentário conhecerá, a partir da vida e visão dos detentos que possuem esse benefício, as vantagens e dificuldades enfrentadas por eles, que estão à margem da sociedade e ao mesmo tempo inseridas nela através do estudo.

 

Projeto: Opção Lage
Proponente: Inffinito Eventos e Produções Ltda. (RJ)
Programadora/Emissora: Canal Brasil
Direção: Adriana L Dutra
Roteiro: Flávia Guimarães
Valor investido pelo FSA: R$ 160 mil
Sinopse: Moradores do asfalto têm migrado para os morros cariocas. Destino preferido? O Morro do Vidigal. Com locação privilegiada, o Vidigal tem uma das vistas mais deslumbrantes da cidade. Opção Laje vai mostrar quem são essas pessoas, os ”invasores do morro”.

 

Projeto: Os Fagundes
Proponente: Estação Elétrica Produção de Cinema e Vídeo Ltda (RS)
Programadora/Emissora: RBS
Direção: Renê Trindade Goya Filho
Roteiro: Márcio Pinheiro, Renê Trindade Goya Filho


Valor investido pelo FSA: R$ 385 mil
Sinopse: A família Fagundes é uma das responsáveis pela construção da identidade do gaúcho. Sempre ligada as artes e a comunicação, esta família vem desde a década de 1950 divulgando, estudando e cantando as coisas folclóricas do Rio Grande do Sul. Nesta série, serão rememorados clássicos do cancioneiro sulista, composições suas, que estão muito presentes no imaginário do homem comum.

 

PRODECINE 02/2013

 

Projeto: Altas expectativas
Proponente/Distribuidora: Vitrine Filmes
Produtora: Dois Moleques Produções LTDA (RJ)
Direção: Pedro Antônio Paes
Roteiro: Álvaro Antônio Alvim Carneiro de Campos
Valor investido pelo FSA: R$ 1,5 milhão
Sinopse: “Altas expectativas” é uma comédia dramática de alcance popular. Seu enredo gira em torno de Decinho, um tímido treinador de cavalos que se apaixona por Lena, uma belíssima mulher que não sabe rir. E pra conquistá-la, Décio – que por acaso é um anão – estará disposto a tudo, inclusive tornar-se um comediante.

 

Projeto: As mil faces do crime
Proponente/Distribuidora: Paris Filmes
Produtora: Filmes Mais LTDA (SP)
Direção: José  Luiz Villamarin
Roteiro: Victor Navas
Valor investido pelo FSA: R$ 3 milhões
Sinopse: Um habilidoso e impulsivo agente da Polícia Federal se envolve numa operação secreta que pretende desarticular um cartel de tráfico de drogas colombiano que opera no Brasil. A identidade do principal membro da quadrilha, no entanto, é desconhecida, e não há provas concretas que justifiquem sua prisão. Sob o comando de um veterano da PF que segue à risca os protocolos, ele precisará aprender a se controlar e jogar conforme as regras para que o renomado bandido não continue à solta.

 

Projeto: Carlos, o homem perfeito
Proponente/Distribuidora: Downtown Filmes
Produtora: Damasco Filmes SS (SP)
Direção: Marcos Baldini
Roteiro: Patrícia Corso e Tati Bernardi
Valor investido pelo FSA: R$ 3 milhões
Sinopse: Fernando troca Diana, mulher culta e bem sucedida, por Amanda, jovem bela e doce. Diana, inconformada, cria um avatar falso no facebook, para estragar essa relação.

 

Projeto: TOC
Proponente/Distribuidora: Downtown Filmes
Produtora: Biônica Cinema e TV Ltda. ME (SP)
Direção: Teo Poppovic e Paulo Caruso
Roteiro: Teo Poppovic
Valor investido pelo FSA: R$ 3 milhões
Sinopse: Carmem Laura é, jornalista, blogueira, autora de livros, palestrante e apresentadora de televisão. Sua temática é uma só: o bem estar e o equilíbrio. Porém, por trás deste aparente equilíbrio, há alguém que sofre de verdade. Desde os oito anos, Carmen padece de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Ainda criança, tratou-se e consegue manter seus sintomas sob controle. Porém, tudo muda quando um acidente faz o TOC de Carmen voltar à tona.

 

Projeto: O Grande Circo Místico
Proponente/Distribuidora: Downtown Filmes
Produtora: Luz Mágica Produções Audiovisuais Ltda (RJ)
Direção: Cacá Diegues
Roteiro: Cacá Diegues e  George Moura
Valor investido pelo FSA: R$ 3 milhões
Sinopse: O Grande Circo Místico conta a história de um grande amor entre um aristocrata e uma acrobata, juntamente com a saga da família austríaca proprietária do Grande Circo Knieps, que vagava pelo mundo nas primeiras décadas do século XX.

 

PRODECINE 03/2013

 

Projeto: O Último Cine Drive-In
Proponente: Pavirada Filmes e Produções Ltda. (DF)
Distribuidora: Vitrine
Direção: Iberê Carvalho e Zepedro Gollo
Roteiro: Iberê Carvalho
Valor investido pelo FSA: R$ 200 mil
Sinopse: O jovem Marlombrando retorna à Brasília acompanhando sua mãe adoentada e reencontra, depois de muitos anos, seu pai, Almeida. Dono do último Drive-in do Brasil, Almeida insiste em manter vivo um cinema que já não atrai mais espectadores. Com a ameaça de demolição e o agravamento da doença de Fátima, pai e filho precisaram reviver o passado.

 

PRODECINE 04/2013

 

Projeto: Lua em Sagitário
Proponente: Realizart Produção Audiovisual Ltda (SC)
Distribuidora: Elo Company
Direção: Márcia Paraíso
Roteiro: Márcia Paraíso e Will Martins
Valor investido pelo FSA: R$ 570.307
Sinopse: Ana, quase 18 anos, filha única, apaixonada por música, vive em uma pequena cidade onde não há sinal de celular, não há salas de cinema e tem poucas opções de lazer. Ela vai para o último ano do ensino médio, ainda não sabe o que vai fazer no futuro, não se identifica com o jeito de ser dos jovens locais e seu refúgio é "a caverna", um misto de lan house e sebo.

 

Projeto: Uma noite não é nada
Proponente: A.F. Cinema e Vídeo LTDA (SP)
Distribuidora: Imovision
Direção: Alain Fresnot
Roteiro: Alain Fresnot, Jean Claude Bernardet e Sabina Anzuategui
Valor investido pelo FSA: R$ 632.942
Sinopse: Agostinho, professor de física de 65 anos, é casado com Januária, diretora de escola aposentada. Ele passa a sentir forte atração por Márcia, adolescente soropositiva e problemática. Agostinho vai se matar injetando em si o sangue da menina.

 

Projeto: Doidas e santas
Proponente: Melodrama Produções Ltda (RJ)
Distribuidora: Imagem (SC)
Direção: Paulo Thiago
Roteiro: Regiana Antonini, Claúdia Gomes e Pedro Antônio
Valor investido pelo FSA: R$ 600 mil
Sinopse: A história de uma mulher, profissional bem sucedida, que como todas nesta condição tem o desafio de viver um dia-a-dia cheio de atividades, conjugando o trabalho com os afazeres do cotidiano familiar e doméstico.

 


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

ARRI lança ALEXA 65 em Hollywood

ARRI lança ALEXA 65 em Hollywood

Disponível para aluguel, câmera homenageia a tela clássica de cinema de 65 mm
Publicado em: 11/12/2014
ALEXA 65 é uma versão superior a ALEXA XT

 

 

O sistema de câmera ARRI ALEXA 65, disponível para aluguel foi lançado oficialmente em Los Angeles, na noite do último dia 10, no Linwood Dunn Theater em Los Angeles. Acompanhado por membros da ASC e personalidades de Hollywood, o evento de lançamento acontece 11 meses depois da prova de conceito que permitiu o projeto da ALEXA 65 receber sinal verde em janeiro deste ano. O sistema com câmeras, lentes e completo workflow de imagem estará disponível em janeiro de 2015.

De modo a homenagear a tela clássica de cinema de 65 mm em largo formato, a câmera ALEXA 65 é uma versão superior a ALEXA XT, equipada com um sensor de frame 5-perf 65 mm para capturar imagem não comprimida ARRIRAW 65 mm com intensidade e definição. Colaborações com os parceiros de tecnologia IB/E Optics e Codex permitem ao sistema ALEXA 65 oferecer uma solução em grande formato para filmes, incorporando lentes customizadas e e zoom, e ferramentas para workflow eficiente e rápido